"O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel" - A história do filme - 20 anos depois



Para aqueles que veem filmes em sites de streaming hoje, é difícil imaginar o quanto era penoso esperar 4 anos para ver um filme estrear na televisão aberta, depois de lançar mundialmente. Nesta época do ano, vários contratos eram fechados entre estas empresas e as produtoras e distribuidoras de filmes ao redor do mundo para podermos enfim saber em qual canal veríamos a versão dublada e editada do filme que tinha sido sucesso de bilheteria anos atrás, ou que tivesse sido ao menos aclamado pela crítica.


Fita VHS - Video Home System
Fita VHS - Video Home System

Isso era nossa chance de ver um filme em um formato de tela 4:3 transmitido analogicamente em televisões que remetem hoje aos 460 pixels de qualidade, sem isso, você tinha que recorrer a fitas VHS em locadoras de mídia física, parece que falo de algo que se passou a 40, 80 anos atrás, mas não, falo de uma época de ouro, ou prata. Antes disso o cinema tinha sido inventado a pouquíssimo tempo também, era tudo muito experimental ainda, até os efeitos especiais eram novidade.


Computadores da época - anos 2000
Computadores da época - anos 2000

Os filmes blockbusters - arrasa-quarteirão - com recordes de bilheteria estavam sendo popularizados ainda mais, com filmes como “X-Men”, “Jurassic Park”, “Exterminador do Futuro, “Matrix”, “Harry Potter” e vários outros se tornando franquias de filmes lançados em série com intervalos de dois a quatro anos. O que esses filmes têm em comum?


Sucesso, baseados em livros, histórias em quadrinhos, filmes lançados com um propósito de testar, se tivessem lucro de primeira ganhariam uma sequência certeira e rapidamente todos correriam para o cinema para ver o filme seguinte sem imaginar como é complicado escrever um roteiro, convidar e contratar novamente os atores, verificar disponibilidade de locação, melhorar o orçamento, buscar mais recursos tecnológicos para grandiosas sequências de computação gráfica, que ainda eram feitas em computadores de carcaça bege utilizando grandiosas memórias RAM de 2 gigas.


O mundo era diferente, o centro da indústria cinematográfica era Hollywood, filmes de grande sucesso, baseados em quadrinhos e livros de fantasia eram vistos como muito caros e com pouco apelo da crítica para ganhar ao mínimo um Oscar™, tudo estava prestes a mudar com a chegada de um filme feito por um tal de Peter Jackson que tinha feito ao menos um filme relevante e vários outros filmes do tipo B, que contava com efeitos práticos, beirando caseiros. A coisa ficava mais nebulosa ainda quando se tratava da produtora New Line Cinema, uma produtora cujo maior sucesso era um filme de horror da década de 80, "A Hora do Pesadelo", o famoso filme de Freddy Krueger. A receita para o fracasso total era iminente. Por várias vezes Peter Jackson bateu a porta de produtoras grandes e deu com ela na cara, ninguém grande queria financiar um filme de fantasia que seria caro e tido como infilmável, a lenda de que “O Senhor dos Anéis” era o filme mais difícil de ser feito era real, todos que tentaram falharam, até os Beatles pensaram em fazer, mais bizarro que isso só o Michael Jackson e Steven Spielberg querendo fazer ”Harry Potter”.


Postêr - Filme Animado " O Hobbit" de 1977
Postêr - Filme Animado " O Hobbit" de 1977

Muitos anos antes algumas animações foram feitas, em 1977 saiu “O Hobbit”, e depois em 1978 “O Senhor dos Anéis” que ao mesmo tempo se tornou um clássico, mas por baixa aderência de bilheteria não ganhou sequência no mesmo formato logo de cara, os produtores entregaram para outro diretor fazer uma sequência com uma estética e roteiro totalmente desconexo do filme anterior, outro desastre chamado “O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei” de 1980. Esse era o histórico das tentativas de se filmar algo de Tolkien, mas não podemos esquecer da versão russa de “O Hobbit”, que recentemente se tornou um hit na internet entre os fãs, mais pelas esquisitices do que pela qualidade.



Assim como para Tolkien a ideia de escrever "O Hobbit" veio de um devaneio, a vontade de se fazer um filme do “Senhor dos Anéis” surgiu para Peter Jackson como uma mera aposta de se fazer o "filme impossível" com a tecnologia que se tinha na época. O que para ele era um desafio quase pessoal, pois ele tinha uma empresa de efeitos especiais que o acompanhava desde os seus filmes anteriores.


Logo Miramax Films
Logo Miramax Films

Em 1997, a Miramax então decidiu que iria fazer o filme de Peter, por um momento até se cogitou em fazer “O Hobbit”, mas por ser um livro mais infantil não teria o apelo comercial para uma sequência mais adulta depois. Miramax era uma produtora grandiosa, e estava fazendo filmes mais adultos e violentos no melhor estilo "Pulp Fiction" de Quentin Tarantino. A produtora de Harvey Weinstein investiu uma boa grana para que Peter trouxesse a vida dois filmes, condensando toda a história da Saga do Anel.


Harvey Weinstein
Harvey Weinstein - Representante da Miramax

O dinheiro estava nas mãos do diretor da Nova Zelândia, até que um dia Harvey mudou de ideia e queria apenas um filme, por questão de problemas em outra produção, que na cabeça dele seria mais importante do que “O Senhor dos Anéis”. Peter Jackson ficou desolado, voltou a Hollywood e procurou negociar com o próprio Harvey e ele se mostrou irredutível. Mas como uma jogada de pôquer Harvey soltou um blefe: "Se vocês encontrarem alguém em Hollywood que faça os dois filmes eu passo adiante os direitos autorais".


Peter Jackson - Diretor da Trilogia Senhor dos Anéis - Em  2004
Peter Jackson - Diretor da Trilogia Senhor dos Anéis - Em 2004

Era tudo o que Peter precisava, ele pegou o material que tinha começado a produzir na Nova Zelândia com o aporte inicial da Miramax e procurou várias novas produtoras que teriam a coragem de fazer dois filmes praticamente independentes, sem grandes interferências da produtora. Por sorte, a New Line Cinema, uma produtora não muito conhecida na época foi além, na figura de Bob Shaye um figurão da empresa, eles adoraram a apresentação de Peter mostrando as miniaturas, maquiagens, locações, artes conceituais, espadas e muitas armaduras que estavam em produção ainda. Diz a lenda que ao acender as luzes da sala de exibição, o figurão levantou e perguntou: "Não são três livros? Façamos três filmes!". Ele então deu luz verde para que os filmes fossem rodados simultaneamente, algo nunca feito antes.


O que era um filme de baixo orçamento se tornou uma trilogia de baixo orçamento, mas com um orçamento melhor digamos assim. Se iniciou a fotografia principal em outubro de 1999 e levou 274 dias, em torno de 9 meses, para tudo ser gravado, um tempo relativamente curto levando em consideração que eram os 3 filmes, sendo o primeiro deles lançado em dezembro de 2001. O sucesso foi um milagre, o filme foi lançado pouco tempo após o ataque as torres gêmeas, em setembro daquele mesmo ano. O mundo parecia sem esperança na própria humanidade, o filme de natal mais comentado da época depois de “Senhor dos Anéis” era “Harry Potter”, mas isso era outra história.

Logos da Warner Bros e New Line Cinema
Logos da Warner Bros e New Line Cinema

A distribuidora principal dos dois filmes era a Warner Bros., que detinha o direito de distribuir mundialmente os dois filmes, e ainda tinha parte dos direitos em merchandising o que rendeu a ela até hoje, vários derivados em produtos licenciados, engordando os bolsos dos produtores e investidores. O sucesso foi tanto que algumas refilmagens foram feitas e as sequências que estavam engatilhadas foram lançadas nos anos seguintes, não sem muita pressão, é claro. O primeiro longa rendeu a Peter Jackson 4 Oscars™, sendo nomeado a 13 estatuetas, e muitos prêmios ao redor do mundo, quebrando paradigma de que filmes de Fantasia eram apenas para crianças ou simplesmente não teriam relevância para o cinema.


Um dos momentos antes da estreia que deixou todos afoitos foi a exibição de 20 minutos do filme, mostrando a trilha sonora recém gravada e os efeitos recém-acabados, no festival de Cannes em maio de 2001 para uma plateia de críticos que fizeram resenhas que balançaram Hollywood na época, e o filme que causou esse tremor sente o seu impacto reverberar nas produções seguintes até os dias de hoje.


Texto por Daniel Henrique

Revisado por Natali Araújo


Fontes e Curiosidades:


"O Senhor dos Anéis" 20 anos: Porquê a Trilogia de Peter Jackson foi um dos projetos mais arriscados de todos os tempos em Hollywood /‘Lord of the Rings’ at 20: Why Peter Jackson’s Trilogy Was One of Hollywood’s Riskiest Projects Ever - Variety - https://variety.com/2021/film/news/lord-of-the-rings-peter-jackson-risky-trilogy-1235123548/


Sobre os Direitos Autorais, desde Tolkien vendendo eles para United Artists até os jogos licenciados mais atuais / Timeline - Middle-earth Enterprises - https://www.middleearth.com/timeline.html


Entrevista do The Hollywood Reporter onde Kevin Feige compara "Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa" e " O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei"/ Oscars: ‘Spider-Man: No Way Home’ Team Plans Best Picture Push, Tom Holland Open to Hosting (Exclusive) - https://www.hollywoodreporter.com/movies/movie-news/spider-man-no-way-home-oscars-best-film-push-1235067052/

247 visualizações6 comentários